terça-feira, 9 de outubro de 2012

Procedimentos para cálculo de blindagem - CNEN

Prezados Leitores, a CNEN em breve disponibilizará os procedimentos para envio dos cálculos de blindagens. Antecipando este momento e com a autorização do Ilmo Dr. Ricardo Gutterres, seguem abaixo os procedimentos que serão solicitados com os exemplos para as áreas. Segue abaixo a documentação na íntegra:
"Prezado Senhor,
Seguem abaixo um guia com procedimentos para elaboração de um memorial de cálculo de blindagenspara instalações de medicina nuclear.
Atenciosamente,
Divisão de Aplicações Médicas e Pesquisa - DIAMP.

Instalações com PET ou PET/CT
  1. memorial de cálculo de blindagens, contemplando as seguintes informações:
    1. Atividade injetada por paciente;
    2. Meia vida dos radionuclídeos;
    3. Tempo assumido para os pacientes permanecerem nas salas de preparo (boxes de injeção) e nas salas de exames;
    4. Fatores de ocupação empregados, com justificativa para suas utilizações;
    5. Número de pacientes a serem atendidos por semana;
    6. Comprovação de análise de densidade do concreto e do chumbo utilizados;
    7. Indicação e descrição dos pontos da instalação utilizados para o cálculo dasblindagens;
    8. Descrição, ponto a ponto, da metodologia (incluindo equações e desenvolvimento das mesmas) utilizada para calcular o fator de atenuação e espessura das blindagens, incluindo, além dos parâmetros supracitados, fatores de redução por decaimento e eliminação do radionuclídeo;
    9. Referências bibliográficas utilizadas.
  2. Encaminhar planta baixa do andar do PET/CT e das salas de preparo (com áreas circunvizinhas), contendo os pontos de cálculo de doses e a posição das fontes (ponto adotados nas macas para determinação das distâncias), de acordo com o descrito nomemorial de cálculos numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  3. Encaminhar planta baixa dos andares superior e inferior do Serviço de Medicina Nuclear (SMN) (caso aplicável) numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  4. Encaminhar os cortes transversais, passando pelas salas de preparo e pelas salas de exames numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  5. Encaminhar planta de situação numa das seguintes escalas: 1:200, 1:500 ou 1:1000 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação).
  6. Descrever as áreas mínimas do SMN, conforme norma vigente;
  7. Encaminhar croquí do SMN com o fluxo de pacientes injetados e não injetados;
  8. As áreas livres e de uso geral, tais como copa, vestiário e consultórios, deverão estar devidamente descritas e situar-se externamente ao SMN, não podendo ser acessadas exclusivamente por áreas controladas ou supervisionadas do serviço.
Instalações apenas com SPECT ou SPECT/CT
  1. memorial de cálculo de blindagens, contemplando as seguintes informações:
    1. Atividade injetada por paciente;
    2. Taxa de dose inicial;
    3. Meia vida dos radionuclídeos;
    4. Tempo assumido para os pacientes permanecerem nas salas de injeção, espera para paciente injetados e nas salas de exames e ergometria (se aplicável), por radioisótopo;
    5. Fatores de ocupação empregados, com justificativa para suas
      utilizações. 
      Ressalta-se que áreas de terceiros deverão possuir fator de ocupação igual a 1;
    6. Número de pacientes a serem atendidos, por radioisótopo, por semana;
    7. Indicação e descrição dos pontos da instalação utilizados para o cálculo dasblindagens;
    8. Descrição, ponto a ponto, da metodologia (incluindo equações e desenvolvimento das mesmas) utilizada para calcular o fator de atenuação e espessura das blindagens;
    9. Comprovação de análise de densidade do concreto e do chumbo utilizados;
    10. Referências bibliográficas utilizadas.
  2. Encaminhar planta baixa do andar do SMN (com áreas circunvizinhas) e sala de ergometria (se aplicável), contendo os pontos de cálculo de doses e a posição das fontes (ponto adotados nas macas/cadeiras para determinação das distâncias), de acordo com o descrito no memorial de cálculos numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  3.  Encaminhar planta baixa dos andares superior e inferior ao SMN (caso aplicável) numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  4. Encaminhar os cortes transversais, passando pela sala de pacientes injetados, sala de injeção, sala de ergometria (caso aplicável) e pelas salas de exames numa das seguintes escalas:  1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  5. Encaminhar planta de situação numa das seguintes escalas: 1:200, 1:500 ou 1:1000 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação).
  6. Descrever as áreas mínimas do SMN, conforme norma vigente;
  7. Encaminhar croquí do SMN com o fluxo de pacientes injetados e não injetados;
  8. As áreas livres e de uso geral, tais como copa, vestiário e consultórios, deverão estar devidamente descritas e situar-se externamente ao SMN, não podendo ser acessadas exclusivamente por áreas controladas ou supervisionadas do serviço.

Para instalações que possuam PET e SPECT, todas as exigências anteriores devem ser atendidas.



A seguir seguem dois exemplos hipotéticos:
Exemplo 01: cálculo discriminado de um ponto hipotético “XY” onde há contribuição de 03 salas de repouso (box) mais a sala do PET/CT:

PONTO XY – SOMA DAS DOSES DEVIDO AOS BOXES DE PREPARO DOS PACIENTES E PET/CT NA SALA QUENTE.

Distâncias consideradas:

                        1 - em relação ao Box 1 – d = 6,50 m
                        2 - em relação ao Box 2 – d = 6,60 m
                        3 - em relação ao Box 3 – d = 7,10 m
                        4 - em relação ao PET/CT – d = 8,70 m
                       
            Dose no local de trabalhador – 100 mSv/semana

Fator de ocupação T = 1 (Permanência de trabalhadores NCRP-147).

Contribuição do Box 1


Dose equivalente semanal = = 14,043 mSv/semana

Contribuição do Box 2


Dose equivalente semanal = = 13,621 mSv/semana

 

Contribuição do Box 3


Dose equivalente semanal = = 11,770 mSv/semana

           

Contribuição da sala do PET/CT


Dose equivalente semanal =  = 7,096  mSv/semana

Dose Total = 14,043 + 13,621 + 11,770 + 7,096 = 46,530 mSv/semana

FATOR = 100/46,53 = 2,149

NESTE CASO, NÃO REQUER BLINDAGEM


Exemplo 02: cálculo discriminado de um ponto hipotético “ZW” onde há contribuição de 02 salas de repouso (box):


PONTO ZW – SOMA DAS DOSES NO BOX 1 EM RELAÇÃO AO BOX 2 E BOX 3


Distâncias consideradas:


                       
1 - em relação ao Box 3 – d = 3,65 m          
2 - em relação ao Box 2 – d = 1,05 m
           
            Dose no local de Trabalhador – 100 mSv/semana

Fator de ocupação T = 1/2 (Sala de exames NCRP-147).

Contribuição do Box 3


Dose equivalente semanal = = 22,27 mSv/semana

 

Contribuição do Box 2


Dose equivalente semanal = = 269,08 mSv/semana



Dose = 22,27 + 269,08 = 291,35 mSv/semana

FATOR = 100/291,35= 0,34


Blindagem requerida em concreto 11,08 ou blindagem requerida em Chumbo 7,86 mm


Para os casos de outros radionuclídeos, pede-se discriminar os cálculos da mesma maneira (levando-se em conta diferenças pertinentes, como a não utilização dos fatores de redução devido ao decaimento do18F).


Referências Bibliográficas:
  1. M. M. Ninkovic, J. J. Raiceviv e F. Adrovic - Rad. Prot. Dos. (2005) v. 115, no. 1-4, p.247-250);
  2. AAPM Task Group 108 – PET and PET/CT Shielding Requirements – Med. Phys, 33 (1) January 2006;
  3. Structural shielding design for Medical X-RAY Imaging Facilities – NCRP REPORT N. 149 ISBN 0-929600-83-5 OCT 2004;
  4. ONRNL/RSIC-45/R1. Specific gama-ray dose constants for nuclides important to dosimetry and radiological assessment. May 1982."

3 comentários:

  1. Qual referência que trata a dose no local do trabalhador como 100mSv/sem?

    ResponderExcluir
  2. Prezados, a referência está errada, mas repliquei exatamente o e-mail. E como todos devem saber, 100 mSv é apenas um exemplo. Nós temos os 20 mSv preconizados e otimizados em 3/10 , ou seja, trabalhamos com 6 mSv idealmente

    ResponderExcluir