terça-feira, 30 de outubro de 2012

Curso "Proteção radiológica: treinamento, discussão e atualização na comunidade de saude"

Objetivo:
Discutir conceitos básicos de radioproteção nas três áreas seguintes: Radiodiagnóstico, Medicina Nuclear e Radioterapia. Apresentar as principais normas nacionais e internacionais de proteção radiológica e sua aplicação
 
PROGRAMAÇÃO
 
09/11/2012 - Sexta (19h-23h)
19h00: Abertura – (ProfªDrª Diana Rodrigues de Pina Miranda)
19h30: PET/CT e SPECT/CT – Tecnologias e aplicações (Alexandre França Velo)
21h00: Intervalo
21h30: Hemodinâmica (ProfªDrª Regina Moura)
 
10/11/2012 – Sábado (8h–12 h)
08h00: Efeitos biológicos da radiação (Marcos Felipe de Freitas Calabresi)
09h00: Dose em procedimentos diagnósticos (Allan Felipe Fattori Alves)
10h00: Intervalo
10h30: Dose em tomografia computadorizada (Matheus Alvarez)
 
Inscrições em http://www.inscricoes.fmb.unesp.br 
 
Apoio/Realização
Faculdade de Medicina de Botucatu
Depto. de Doenças Tropicais e Diagnóstico por Imagem
STAEPE

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

SNMMI 2013 - Vancouver, BC, Canada

 
SNMMI 2013 Annual Meeting Registration: Now Open!
Recognized by thousands of professional attendees as the premier educational and networking event in nuclear medicine and molecular imaging, the SNMMI 2013 Annual Meeting continues to build on past successes.
This year's meeting—June 8-12, 2013 in Vancouver, BC, Canada—will include the latest educational content, virtual learning opportunities, networking events, and an exhibit hall packed with the latest technology and services.
It's everything you've come to expect from the SNMMI Annual Meeting, plus so much more!

International Attendees: Thank you for your interest in attending the SNMMI 2013 Annual Meeting in the beautiful city of Vancouver. SNMMI is here to help you prepare for travel to Canada.
United States Residents: Learn more about crossing US Borders.Non-Canadian Residents: Learn more about travel tips when visiting Canada.Visas: For information regarding visas and entry requirements for Canada, please visit the Immigration Canada website or call 1.888.242.2100. From outside Canada, please contact the nearest Canadian Embassy, High Commission, or consulate in your region. 
Not sure you need a VISA to enter Vancouver? Find out here.  

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Oportunidade para Professor na área de Física Médica e Medicina Nuclear

O Inatel está recrutando docente na área de Física Médica e Medicina Nuclear para o curso de Engenharia Biomédica. As aulas deverão ser ministradas no período diurno, com início no 1º semestre de 2013.
 
Número de Vagas: 1.
 
Regime de trabalho: Horista, 2 horas/semana.
 
Ementa: Transporte de partículas na matéria. Transporte de elétrons, prótons e íons. Dosimetria. Cálculo de blindagem de radiações. Aplicação da física médica em terapia e imagem.
 
Pré-Requisitos: * Título de Doutor ou Mestre; * Experiência como docente. O professor deverá estar apto a trabalhar com foco na condução das disciplinas dos cursos de graduação, com práticas docentes atuais voltadas para o aprendizado, produção acadêmica que atenda as exigências MEC/INEP e orientação de alunos em trabalhos de desenvolvimento tecnológico e de iniciação científica.
 
Local da Vaga: Santa Rita do Sapucaí – MG.
 
Inscrições até 04/11/2012: Encaminhar o currículo lattes e comprovação do título de doutor e/ou mestre obtidos em instituição reconhecida pela CAPES para rh@inatel.br, informando no campo assunto “Professor Biomédica”. Os candidatos que tenham obtido algum título no exterior, deverão apresentar reconhecimento do referido título para fins de validade nacional.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Radiografia: do filme para o digital.

Texto retirado do site da Philips(segue link abaixo)

A radiografia pouco se modificou, em sua essência, desde sua descoberta por Roentgen, em 1895, e, graças ao resultado imediato e à aplicação em várias possibilidades de apoio à tomada de decisão no tratamento das pessoas, o método se tornou o mais comum e é amplamente utilizado na área de diagnóstico por imagem. Ainda hoje, estima-se que aproximadamente metade dos pedidos de exames em diagnóstico por imagem, em todo o mundo, seja de radiografias.

Se por um lado continuam sendo os mesmos raios X descobertos por Roentgen, muito se evoluiu nos últimos anos na forma de processamento da imagem. Hoje, as imagens continuam sendo registradas em um filme – no passado eram em placas de vidro –, e transformadas em uma documentação duradoura por processos químicos. Entretanto, um número cada vez maior de centros de diagnóstico tem adotado o CR e/ou DR, em que as imagens podem ser disponibilizadas na tela dos computadores para a realização do laudo, caminhando para uma tendência mundial de “filmless”, ou seja, sem impressão da imagem em filmes.

Assim, a evolução tecnológica permitiu que se passasse a capturar as imagens digitalmente, seja por radiografia computadorizada – CR  (placas de fósforo onde imagens são digitalizadas), seja por Digital Direto – DR (painel detector digital onde imediatamente a imagem é formada eletronicamente).

Veja mais no link e também as vantagens e desvantagens de cada tecnologia de acordo com a Philips.

 
http://www.newscenter.philips.com/br_pt/standard/about/news/press/article-2012081006.wpd

domingo, 21 de outubro de 2012

Radiações ionizantes: onde/quando/quanto você é exposto ?


Vale à pena dar uma olhada !


Ilustração bem didática mostrando o quanto somos expostos à radiações ionizantes em situações do cotidiano (aeroportos, exames, etc).



http://www.informationisbeautiful.net/visualizations/radiation-dosage-chart/

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Mamografia óptica: uma promissora alternativa à mamografia convencional


Uma nova técnica de imagem óptica, desenvolvida na Universidade norte-americana Tufts  pode auxiliar médicos, tanto na identificação de câncer de mama quanto no monitoramento da resposta de pacientes ao tratamento.

A técnica de infravermelho próximo (IR) espectral difuso é baseado num conjunto de feixes, que varrem um plano no qual há duas fibras ópticas - uma para a iluminação e outra para a detecção - da imagem do tecido. Durante a aquisição dos dados, o tecido é iluminado por luz NIR, e um software exibe imagens em tempo real.  Um detector de luz no interior do sistema mostra a intensidade do feixe de NIR que é transmitido através do tecido.

Por meio de um algoritmo baseado nas informações ópticas, esta nova tecnologia é capaz de gerar imagens através da intensidade da luz transmitida que são exibidas automaticamente, podendo ser lida rapidamente após o procedimento, tal como é o caso da mamografia por raios-X.

Exemplo de imagem de mamografia óptica, mostrando a oxigenação de um carcinoma duto in situ (CDIS). Nesta imagem, a área destacada corresponde à localização do câncer e indica os valores mais baixos de oxigenação da hemoglobina. Fonte: Sergio Fantini, professor de engenharia biomédica na Universidade Tufts.
Segundo o Professor Sergio Fantini, do Departamento de Bioengenharia, as diferenças na absorção da luz permitem a identificação de água, gordura e tecido rico e pobre em oxigênio. "O consenso é que a mamografia por raios-X é muito boa na detecção de lesões, mas não é tão eficaz para determinar quais lesões, no caso de um câncer, são realmente suspeitas", diz ele. "No entanto, isso poderia complementar a mamografia padrão, especialmente em mulheres mais jovens que podem ter um tecido denso que tende a obscurecer detalhes em raios-X."

Os métodos alternativos são baseados no uso de radiação ionizante ou agentes fluorescentes, porém a técnica desenvolvida pelo grupo de Fantini é não-invasiva e utiliza radiação não ionizante, podendo ser aplicada várias vezes ao longo de um curto período de tempo, não possuindo os riscos envolvidos numa  eventual superexposição do tecido/ órgão à radiação ionizante.

Ao contrário de outros métodos de imagem, a técnica também pode obter imagens funcionais, em tempo real, de alterações metabólicas, tais como os níveis de hemoglobina e oxigenação.

"Tem sido relatado que os pacientes que respondem à quimioterapia do câncer de mama mostram uma diminuição na concentração de hemoglobina e água e um aumento na concentração de lipídeos no local do câncer", explica Fantini. "Isso sugere que imagens por NIR podem ser valiosas, não só no diagnóstico de câncer de mama, mas também no monitoramento da resposta individual de terapias sem a necessidade de repetidos exames por raios-X."

"Por exemplo,  esta técnica poderia ajudar a determinar se um paciente está respondendo à quimioterapia, tendo o tumor diminuído antes da cirurgia", acrescenta.

Os testes clínicos indicam sucesso na identificação de tecido canceroso. "Os resultados dos testes eram compatíveis com os que encontramos na mamografia por raios-X", explica o colaborador de Fantini, Roger Graham, diretor do Tuffs Medical Center's Breast HEalth Center.

Os pesquisadores visam agora investigarmulheres saudáveis, mulheres com câncer de mama e  mulheres com lesões benignas para avaliar a eficácia da detecção de câncer por mamografia óptica, além da avaliação da capacidade de distinguir tumores malignos de benignos. Um estudo clínico, com duração de cinco anos  foi financiado por uma doação de US $ 3,5 milhões do Instituto Nacional de Saúde, e está em andamento no Tufts Medical Center, em Boston.


Fonte: http://engineering.tufts.edu/default.aspx

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Primeiro Workshop sobre Análise de Risco em Radioterapia - CNEN + COI + FORO

Evento

O evento tem como objetivo divulgar o SEVRRA, ferramenta online para análise de risco e proposta de soluções para instalações de radioterapia. O treinamento realizado durante o workshop permitirá a identificação das principais fragilidades do sistema de proteção radiológica da instalação, fornecendo sugestões sobre possíveis ações a serem tomadas com o intuito de mitigar acidentes durante sua operação.

Público Alvo

Físicos médicos e médicos radioterapeutas que trabalham em instalações de radioterapia.

Local

Grupo COI
Auditório Principal
Av. das Américas, 6205 - Barra da Tijuca
Rio de Janeiro - RJ

Vagas

60 vagas disponíveis.

Inscrições

O prazo final para inscrições será 19 de outubro de 2012.


 Link: 
http://www.cnen.gov.br/hs_cgmi_workshop1/Default.asp

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Em busca do TOP3 Prêmio TOPBLOG 2012

Prezados Leitores, é com grande satisfação que comunico que conquistamos o TOP100 do Prêmio TOPBLOG 2012!!! O selo está na nossa página principal no canto direito! A segunda fase iniciou hoje e terminará dia 10/11/2012 as 14 horas. Temos um mês para conquistarmos o maior número de acessos possíveis, sermos julgados pelo júri acadêmico e quem sabe chegarmos ao TOP3. Os votos do primeiro turno são anulados e recomeça a contagem de acessos. Contamos com o apoio de todos, incluindo familiares, amigos, cachorro, etc desde que tenham e-mail, twitter e facebook para a votação! Cliquem no selo do TOP100 e votem no Blog! Para o voto ser confirmado você receberá um e-mail com o link de confirmação que precisa ser acessado.

Desde já o nosso muito obrigado!

O regulamento está abaixo:


SEGUNDO TURNO – ELEIÇÃO TOP3 “OS FINALISTAS” - Júri Popular e Acadêmico.

O período de votação do SEGUNDO TURNO pelo júri popular (Internauta) e avaliação pelo Júri Acadêmico começa no dia 10/10/2012, às 14h – horário de Brasília e encerra dia 10/11/2012, às 14h - horário de Brasília. No segundo turno somente participam da eleição os blogs eleitos no TOP100 “OS MAIS VOTADOS ” - júri popular,  em cada grupo e categoria que receberem o maior número de votos no primeiro turno.

ATENÇÃO
: Os votos do PRIMEIRO TURNO não serão computados para o SEGUNDO TURNO, assim sendo serão zerados os votos dos selecionados TOP100 quando passam para a segunda fase TOP3, concorrendo todos os cem mais votados no primeiro turno, em igualdade no segundo turno.

São eleitos FINALISTAS/VENCEDORES - PRÊMIO JÚRI POPULAR / TOP3. Os Três Blogs, entre os Cem Blogs selecionados no primeiro turno (em cada grupo e categoria), que receberem o maior número de votos no segundo turno, pelo júri popular, sendo:

Primeiro colocado Júri Popular:
 TOP1 – recebe selo , certificado e troféu;

Segundo colocado Júri Popular:
 TOP2 – recebe selo e certificado;

Terceiro colocado Júri Popular:
 TOP3 – recebe selo e certificado.

São eleitos FINALISTAS/VENCEDORES - PRÊMIO JÚRI ACADÊMICO / TOP3. Os três blogs, entre os cem blogs selecionados no primeiro turno pelo Júri Popular, mais os blogs indicados pelos membros do conselho acadêmico (em cada grupo e categoria) que receberem as maiores notas na avaliação do júri acadêmico, sendo:

Primeiro colocado Júri Acadêmico:
 TOP1 – recebe selo , certificado e Troféu;

Segundo colocado Júri Acadêmico:
 TOP2 – recebe selo e certificado;

Terceiro colocado Júri Acadêmico:
 TOP3 – recebe selo e certificado.

A gestão do prêmio TOPBLOG é realizada por um comitê composto por executivos da Insere Comunicação Web, juntamente com colaboradores de empresas do setor de mídia digital, que incentivam e apoiam o prêmio.
O comitê do TOPBLOG é responsável pelos critérios de execução, auditoria e premiação, bem como pela indicação e nomeação do júri acadêmico responsável pela avaliação técnica dos blogs concorrentes.

Outubro Rosa: Mês da Luta Contra o Câncer de Mama

Objetivo da Campanha é sensibilizar a população sobre o rastreamento precoce do câncer de mama – Divulgação
Objetivo da Campanha OUTUBRO ROSA é sensibilizar a população sobre o rastreamento precoce do câncer de mama, que é a causa mais comum de morte relacionada a câncer em mulheres (World Health Organization).

Tendo isso em mente, separei um artigo interessante deste ano (2012) que saiu na European Journal os Nuclear Medicine and Molecular Imaging, que compara PET/CT com outras modalidades convencionais no estadiamento de pacientes com câncer de mama primário.

O artigo se chama: "Whole-body FDG PET/CT is more accurate than conventional imaging for staging primary breast cancer patients", de Riegger e colaboradores.

Nesse estudo, 106 pacientes femininas passaram pelos seguintes exames:  PET/CT (FDG, corpo inteiro), Mamografia (raio-x e RM) , Radiografia de tórax, Cintilografia Óssea e Ultrassonografia (mamas, axilas e fígado).

A acurácia dos exames foi avaliada em termos de taxa de detecção do tumor primário, a correta avaliação de focos de lesão primária, taxa de detecção nos linfonodos e metástases distantes.

No PET/CT a detecção nos linfonodos e metástases distantes foi significativamente maior.
Em relação aos outros parâmetros, nenhuma diferença significativa foi encontrada.

Os autores concluíram que, apesar das limitações de um estudo retrospectivo e das taxas de falso-positivos de metástases em linfonodos, o PET/CT com uso de FDG teve uma maior acurácia que as outras modalidades convencionais no estadiamento inicial do câncer de mama devido as maiores taxas de detecção de metástases, resultando numa mudança de conduta dos médicos em uma proporção significativa de pacientes. 

Você pode conferir esse artigo  no link abaixo:




quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Distribuição atual dos SMN no Brasil

No site da CNEN é possível encontrar todas as instalações radioativas credenciadas e ativas no Brasil.   O número de Serviços está em constante alteração em virtude de novas instalações, renovações de licenças e descomissionamentos. Fazendo um estudo da distribuição atual dos Serviços de Medicina Nuclear (SMN) cadastrados e autorizados (08/10/2012) observou-se as seguintes disposições:





A partir destes dados, é possível observar que a distribuição atual dos SMN está intimamente correlacionada com os grandes pólos financeiros do país. A região sudeste continua com a maior concentração de serviços (cerca de 225), enquanto a região norte com a menor (cerca de 20). Com os dados da Wikipedia, em 2009 a região sudeste continha cerca de 80779802 habitantes em uma área de 924511,292 km2 ou seja 87,3 hab/km2. Já a região Norte, 15865678 habitantes em uma área de 3869637,9 km2 sendo portanto 4,1 hab/km2. A população atual do Brasil é de cerca de 190732694, ou seja, aproximadamente 42,35% da população está localizada na região sudeste, enquanto 8,3% na região norte. Idealmente, o percentual de SMN deveria ser parecido com o da distribuição da população. A partir deste raciocínio, a região sudeste atualmente concentraria 15% a mais de SNM, enquanto a região norte estaria desfalcada em 3% dos serviços do país.

Por Ana Luiza Kubo e Tadeu Kubo

"Putting Image-Sharing in the Patient’s Hands"

original source: Putting Image-Sharing in the Patient’s Hands

Imagine suas imagens sendo transportadas em um cartão convencional ao invés de CDs. Imagine todos os seus exames em uma nuvem como hove é possível com iCloud, Dropbox, SyncSugar, etc. Esses conceitos/facilidades estão cada vez mais próximos da realidade do diagnóstico por imagem. Acredito que com estes novo fluxo de trabalho, muitas questões sobre a exposição desnecessária dos pacientes, número de repetições de procedimentos com radiação ionizante, viabilização do histórico de dose para um acompanhamento com relação aos possíveis efeitos estocásticos, qualidade dos serviços, ficarão expostas para os órgão de fiscalização e para o entendimento do paciente. Além de se tornar cada vez mais um método "limpo", reduzindo a quantidade de filmes e papéis desnecessários, dentre muitas outras implicações. 
"Now that health information exchange (HIE) is gaining traction in the industry and becoming a larger part of meaningful use requirements, researchers at Wake Forest School of Medicine in Winston-Salem, N.C., have been trying to figure out how to make radiological images as mobile as other patient health information. Co-investigators Yaorong Ge, Ph.D., associate professor of biomedical engineering, and Jeff Carr, M.D., radiologist and director, TSI Biomedical Informatics Center, have built the Patient-Controlled Access-key REgistry (PCARE), a set of processes that allows patients, with a swipe of a card, to digitally enable unaffiliated institutions to transfer medical images to avoid the hassle of CDs."
"The impetus for developing this technology was to alleviate the bottlenecks of current workflows involved in transferring radiological images between institutions. At many organizations, patients sign paperwork to obtain their radiological images on a CD, which they then have to hand-deliver to the other institution. Often times the patient forgets the CD, or the CD contains the wrong images, or the physician has trouble loading images because of compatibility or hardware issues."

terça-feira, 9 de outubro de 2012

"Fan Page"do Blog de Física Médica no Facebook!

O Blog de Física Médica finalmente tem uma fã page no Facebook! Participem! Curtam se assim o quiserem e nos ajudem a disseminar a Física Médica! acesse

Procedimentos para cálculo de blindagem - CNEN

Prezados Leitores, a CNEN em breve disponibilizará os procedimentos para envio dos cálculos de blindagens. Antecipando este momento e com a autorização do Ilmo Dr. Ricardo Gutterres, seguem abaixo os procedimentos que serão solicitados com os exemplos para as áreas. Segue abaixo a documentação na íntegra:
"Prezado Senhor,
Seguem abaixo um guia com procedimentos para elaboração de um memorial de cálculo de blindagenspara instalações de medicina nuclear.
Atenciosamente,
Divisão de Aplicações Médicas e Pesquisa - DIAMP.

Instalações com PET ou PET/CT
  1. memorial de cálculo de blindagens, contemplando as seguintes informações:
    1. Atividade injetada por paciente;
    2. Meia vida dos radionuclídeos;
    3. Tempo assumido para os pacientes permanecerem nas salas de preparo (boxes de injeção) e nas salas de exames;
    4. Fatores de ocupação empregados, com justificativa para suas utilizações;
    5. Número de pacientes a serem atendidos por semana;
    6. Comprovação de análise de densidade do concreto e do chumbo utilizados;
    7. Indicação e descrição dos pontos da instalação utilizados para o cálculo dasblindagens;
    8. Descrição, ponto a ponto, da metodologia (incluindo equações e desenvolvimento das mesmas) utilizada para calcular o fator de atenuação e espessura das blindagens, incluindo, além dos parâmetros supracitados, fatores de redução por decaimento e eliminação do radionuclídeo;
    9. Referências bibliográficas utilizadas.
  2. Encaminhar planta baixa do andar do PET/CT e das salas de preparo (com áreas circunvizinhas), contendo os pontos de cálculo de doses e a posição das fontes (ponto adotados nas macas para determinação das distâncias), de acordo com o descrito nomemorial de cálculos numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  3. Encaminhar planta baixa dos andares superior e inferior do Serviço de Medicina Nuclear (SMN) (caso aplicável) numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  4. Encaminhar os cortes transversais, passando pelas salas de preparo e pelas salas de exames numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  5. Encaminhar planta de situação numa das seguintes escalas: 1:200, 1:500 ou 1:1000 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação).
  6. Descrever as áreas mínimas do SMN, conforme norma vigente;
  7. Encaminhar croquí do SMN com o fluxo de pacientes injetados e não injetados;
  8. As áreas livres e de uso geral, tais como copa, vestiário e consultórios, deverão estar devidamente descritas e situar-se externamente ao SMN, não podendo ser acessadas exclusivamente por áreas controladas ou supervisionadas do serviço.
Instalações apenas com SPECT ou SPECT/CT
  1. memorial de cálculo de blindagens, contemplando as seguintes informações:
    1. Atividade injetada por paciente;
    2. Taxa de dose inicial;
    3. Meia vida dos radionuclídeos;
    4. Tempo assumido para os pacientes permanecerem nas salas de injeção, espera para paciente injetados e nas salas de exames e ergometria (se aplicável), por radioisótopo;
    5. Fatores de ocupação empregados, com justificativa para suas
      utilizações. 
      Ressalta-se que áreas de terceiros deverão possuir fator de ocupação igual a 1;
    6. Número de pacientes a serem atendidos, por radioisótopo, por semana;
    7. Indicação e descrição dos pontos da instalação utilizados para o cálculo dasblindagens;
    8. Descrição, ponto a ponto, da metodologia (incluindo equações e desenvolvimento das mesmas) utilizada para calcular o fator de atenuação e espessura das blindagens;
    9. Comprovação de análise de densidade do concreto e do chumbo utilizados;
    10. Referências bibliográficas utilizadas.
  2. Encaminhar planta baixa do andar do SMN (com áreas circunvizinhas) e sala de ergometria (se aplicável), contendo os pontos de cálculo de doses e a posição das fontes (ponto adotados nas macas/cadeiras para determinação das distâncias), de acordo com o descrito no memorial de cálculos numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  3.  Encaminhar planta baixa dos andares superior e inferior ao SMN (caso aplicável) numa das seguintes escalas: 1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  4. Encaminhar os cortes transversais, passando pela sala de pacientes injetados, sala de injeção, sala de ergometria (caso aplicável) e pelas salas de exames numa das seguintes escalas:  1:50, 1:75 ou 1:100 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação);
  5. Encaminhar planta de situação numa das seguintes escalas: 1:200, 1:500 ou 1:1000 (adequar a escala da planta conforme o tamanho da instalação).
  6. Descrever as áreas mínimas do SMN, conforme norma vigente;
  7. Encaminhar croquí do SMN com o fluxo de pacientes injetados e não injetados;
  8. As áreas livres e de uso geral, tais como copa, vestiário e consultórios, deverão estar devidamente descritas e situar-se externamente ao SMN, não podendo ser acessadas exclusivamente por áreas controladas ou supervisionadas do serviço.

Para instalações que possuam PET e SPECT, todas as exigências anteriores devem ser atendidas.



A seguir seguem dois exemplos hipotéticos:
Exemplo 01: cálculo discriminado de um ponto hipotético “XY” onde há contribuição de 03 salas de repouso (box) mais a sala do PET/CT:

PONTO XY – SOMA DAS DOSES DEVIDO AOS BOXES DE PREPARO DOS PACIENTES E PET/CT NA SALA QUENTE.

Distâncias consideradas:

                        1 - em relação ao Box 1 – d = 6,50 m
                        2 - em relação ao Box 2 – d = 6,60 m
                        3 - em relação ao Box 3 – d = 7,10 m
                        4 - em relação ao PET/CT – d = 8,70 m
                       
            Dose no local de trabalhador – 100 mSv/semana

Fator de ocupação T = 1 (Permanência de trabalhadores NCRP-147).

Contribuição do Box 1


Dose equivalente semanal = = 14,043 mSv/semana

Contribuição do Box 2


Dose equivalente semanal = = 13,621 mSv/semana

 

Contribuição do Box 3


Dose equivalente semanal = = 11,770 mSv/semana

           

Contribuição da sala do PET/CT


Dose equivalente semanal =  = 7,096  mSv/semana

Dose Total = 14,043 + 13,621 + 11,770 + 7,096 = 46,530 mSv/semana

FATOR = 100/46,53 = 2,149

NESTE CASO, NÃO REQUER BLINDAGEM


Exemplo 02: cálculo discriminado de um ponto hipotético “ZW” onde há contribuição de 02 salas de repouso (box):


PONTO ZW – SOMA DAS DOSES NO BOX 1 EM RELAÇÃO AO BOX 2 E BOX 3


Distâncias consideradas:


                       
1 - em relação ao Box 3 – d = 3,65 m          
2 - em relação ao Box 2 – d = 1,05 m
           
            Dose no local de Trabalhador – 100 mSv/semana

Fator de ocupação T = 1/2 (Sala de exames NCRP-147).

Contribuição do Box 3


Dose equivalente semanal = = 22,27 mSv/semana

 

Contribuição do Box 2


Dose equivalente semanal = = 269,08 mSv/semana



Dose = 22,27 + 269,08 = 291,35 mSv/semana

FATOR = 100/291,35= 0,34


Blindagem requerida em concreto 11,08 ou blindagem requerida em Chumbo 7,86 mm


Para os casos de outros radionuclídeos, pede-se discriminar os cálculos da mesma maneira (levando-se em conta diferenças pertinentes, como a não utilização dos fatores de redução devido ao decaimento do18F).


Referências Bibliográficas:
  1. M. M. Ninkovic, J. J. Raiceviv e F. Adrovic - Rad. Prot. Dos. (2005) v. 115, no. 1-4, p.247-250);
  2. AAPM Task Group 108 – PET and PET/CT Shielding Requirements – Med. Phys, 33 (1) January 2006;
  3. Structural shielding design for Medical X-RAY Imaging Facilities – NCRP REPORT N. 149 ISBN 0-929600-83-5 OCT 2004;
  4. ONRNL/RSIC-45/R1. Specific gama-ray dose constants for nuclides important to dosimetry and radiological assessment. May 1982."

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Primeiro Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista

 
 (Image from Mayo Clinic Interventional Cardiology)
 No marco do Projeto BRA 9056, entre os dias 8 e 10 de novembro de 2012, será realizado no Hospital Bandeirantes em São Paulo, oPrimeiro Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista”.
O projeto BRA 9056, “Supporting national assessment of quality control and radiation protection in interventional cardiology departments”, é parcialmente financiado pela Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA), com a participação de 6 contrapartes nacionais além do Centro de Física Médica do Instituto de Radioproteção e Dosimetria (SEFRI/IRD) eda Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI). O projeto visa contribuir para a otimização das doses ministradas a pacientes e profissionais durante procedimentos cardiológicos intervencionistas, assim como elaborar programas de treinamento e de formação em proteção radiológica para profissionais da área de cardiologia intervencionista. O grupo está participando ativamente junto à SBHCI para incluir a proteção radiológica como um aspecto altamente relevante dentro das práticas em cardiologia intervencionista.
O Workshop será direcionado para profissionais decardiologia intervencionista (médicos, enfermeiros, técnicos, tecnólogos) e para físicos médicos que atuam em radiodiagnóstico.Conta com a presença de um especialista estrangeiro da IAEA e professores destacados na área. Os participantes poderão discutir aspectos de proteção radiológica, dosimetria e controle de qualidade em cardiologia intervencionista.Serão realizadas também aulas práticas em sala de hemodinâmica, diferenciadas para físicos e profissionais da saúde. Para físicos médicos, serão apresentados testes de controle de qualidade e procedimentos de caracterização dos equipamentos. Na aula prática para médicose enfermeiros serão discutidosaspectos práticos de proteção radiológica em situações reais dentro da sala de hemodinâmica.
O evento conta com o patrocínio do Hospital Bandeirantes, e ocorrerá nas suas dependências,em São Paulo.O número de inscrições é limitado. Algumas palestras serão ministradas em espanhol. Maiores informações sobre o workshop e as inscrições poderão ser obtidas pelo e-mail: workshopci.sp@gmail.com

Programa do Workshop
Quinta feira, 8 de novembro: A física e a cardiologia intervencionista. Público: Físicos, Técnicos e Tecnólogos.
Sexta feira, 9 de novembro: A cardiologia intervencionista e a proteção radiológica. Público: Médicos, Enfermeiros.
Sábado, 10 de novembro: Aulas práticas para ambos os grupos.


fonte: e-mail do grupo radioproteccíon

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Controle de Qualidade em RM



Um tema antigo mas sempre discutido são os controles de qualidade em ressonância magnética. O que ainda não "existe" no Brasil, nos EUA é realizado desde os anos 90. O colegio americano de Radiologia elaborou um programa de controle de qualidade para assegurar nao somente a qualidade de imagem em RM, mas tambem a qualidade do profissional. A existencia deste programa nao é exigida pela lei americana, mas pelos convenios medicos. O centro de RM que atenda os criterios recebe um certificado de qualidade. Sera que conseguimos algo semelhante aqui no Brasil? Quem tiver interesse em ler mais sobre o assunto:
 http://www.acr.org/Quality-Safety/Accreditation/MRI.